Quando se inicia a meditação, o foco pode ser desfeito por algum estímulo dos cinco sentidos assim como a dor da posição ou até mesmo por algo que se movimenta na frente do meditante. Por isto muitas pessoas preferem fechar os olhos evitando os fortes estímulos que a visão gera. Por outro lado, o massoterapeuta pode também optar pelos olhos abertos de forma a manter uma expressão tranqüila e serena. A vantagem é que o treinamento da atenção estará resistindo aos estímulos que mais nos influenciam. Manter a concentração de olhos aberto, imóveis, focado em um ponto, proporcionará uma prova de liberdade mental que o praticante experimenta. Os olhos não devem ter o poder de desestabilizar.

Como o trabalho do massoterapeuta exige muita percepção e domínio da atenção, vide o caso de quem se utiliza da pulsologia no diagnóstico. Dr. Celso Yamamoto no seu livro “Pulsologia” destaca a importância dos exercícios de Ki Gong, Chi kun e Tai Chi Chuan para os profissionais de saúde que utilizam a pulsologia. O que estes exercícios têm incomum são a forte introspecção e concentração juntamente com movimentos, proporcionando uma melhor circulação da energia vital.